Porquê escrever a Gazeta Ordinária?
On September 3, 2020 | 0 Comments
Uma mensagem na garrafa
Photo by Comfreak on Pixabay

Quando comecei a escrever a Gazeta Ordinária, minha maior dúvida era sobre a validade de se manter uma newsletter nos dias de hoje. Pensei sobre os e-mails lotados de anúncio enquanto a comunicação migra caoticamente para os aplicativos de mensagem instantânea. Com o Whatsapp se tornando canal de comunicação oficial até do governo e o Instagram e TikTok abrindo uma gama quase infinita de interações, valia a pena dedicar um tempo considerável na elaboração e manutenção de um boletim que ninguém veria? Quem tem tempo para ler um e-mail que não seja urgente? A resposta mais provável é: ninguém.

Nestes últimos meses percebi que o alcance de qualquer post do Facebook é maior do que o da Gazeta Ordinária. Um conto escrito em quinze minutos e postado sem qualquer expectativa ou preparo no Facebook foi compartilhado dezenas de vezes e teve quase uma centena de interações, enquanto a edição quinzenal da Gazeta, com pesquisa, testes, diagramação e revisões, que consomem muito mais tempo, tem, quando muito, quinze ou vinte leitores. Talvez seja caso de se mudar a estratégia. Talvez eu esteja apenas perdendo meu tempo.

Ou talvez eu esteja focando nas questões erradas.

O que eu ganho com a Gazeta Ordinária?

  • Porquê escrever a Gazeta Ordinária? |
  • Porquê escrever a Gazeta Ordinária? |
  • Porquê escrever a Gazeta Ordinária? |
  • Porquê escrever a Gazeta Ordinária? |
  • Porquê escrever a Gazeta Ordinária? |
  • Porquê escrever a Gazeta Ordinária? |
  • Porquê escrever a Gazeta Ordinária? |
  • Porquê escrever a Gazeta Ordinária? |
  • Porquê escrever a Gazeta Ordinária? |
  • Porquê escrever a Gazeta Ordinária? |
  • Porquê escrever a Gazeta Ordinária? |
  • Porquê escrever a Gazeta Ordinária? |
  • Porquê escrever a Gazeta Ordinária? |
  • Porquê escrever a Gazeta Ordinária? |
  • Porquê escrever a Gazeta Ordinária? |

O ano de 2020 vai ser eternizado pela escassez. Escassez de recursos, de dinheiro, de saúde, de paz, de liberdade. Escassez de sol, de emprego, de amigos. Escassez de sanidade. O único patrimônio que me restou neste ano foi o tempo. Ele se alonga de forma emaranhada, correndo e se encurtando, desafiando a minha memória, mas continua lá, aparentemente infinito. Os dias trancados em casa e o pouco trabalho tem tornado os dias absolutamente iguais. Era de se pensar que com tanto tempo livre a produtividade triplicaria, não é? Mas acontece o contrário. O tempo é tão vasto, que não existe urgência. Sempre posso deixar para um depois que nunca chega.

Foi então que eu percebi a importância que a Gazeta passou a ter na minha rotina. Ela se tornou o ponteiro do relógio que faz o tempo ter um fluxo. Entre a gazeta ordinária e as crônicas de segunda, tenho uma produção semanal constante que me tira da cama, me obriga a organizar a mesa de trabalho e me faz pensar sobre o passado, presente e futuro, interagir com as pessoas, criar e manter metas. A gazeta me obriga a ter uma rotina produtiva, ao invés de rondar as quatro paredes desta colônia espacial que se tornou a vida na terra.

O que que a Gazeta tem?

GO ANO01ED02 logo GazetaOrdinaria dark
GO ANO01ED02 logo GazetaOrdinaria dark

Nestas quase vinte edições da Gazeta Ordinária, eu falei sobre filmes, livros, séries. Escrevi sobre colônias espaciais, monstros escondidos debaixo da cama, memórias de infância e cidades destruídas por dragões. Visitei escritórios que exigiam o seu comprometimento em sangue, acompanhei uma esposa e seu sogro indo buscar o corpo do seu marido nos campos de batalha, colonizei marte, recolonizei a terra, fiquei preso em uma armadilha temporal.

Tenho certeza de que não teria feito nada disso se não fosse o compromisso com o prazo. Ao fim deste ano, terei cerca de 30 mil palavras, o equivalente a um livro, que não existiriam se não fosse pela Newsletter, distribuída gratuitamente.

Entender o foco para a produção da Gazeta me ajuda a manter a motivação em produzi-la. Não nego que gostaria que ela tivesse um alcance maior. É um trabalho que faço com muito carinho, promovendo e produzindo cultura de forma aberta e democrática para qualquer um interessado, contribuindo para enriquecer este ano de escassez.

Gazeta Ordinária está no ar a cada duas semanas, com dicas de cinema e literatura, pequenos enxertos sobre as novidades do mercado editorial, uma ficção inédita e outras pequenas bobagens. Não custa absolutamente nada além da sua inscrição e, se você deixar, uns minutos do seu tempo.

E vocês, assinam alguma newsletter? Enviem pra mim indicações legais!


Carregando
Parabéns! Você está inscrito!

Leave a Reply

More news
%d bloggers like this: