Resenha: Years and Years
On August 26, 2019 | 0 Comments

A família Lyons comemora o nascimento do seu mais novo membro, o pequeno sino-inglês Lincoln, através de uma conferência no Skype. O que o futuro lhe reserva? No término do seu segundo mandato, Donald Trump resolve mostrar todo o seu poder e lança um ataque nuclear em território chinês, provocando uma crise sem precedentes.

Quando a crise repercute dentro da Inglaterra, afetando a economia, um líder populista de extrema direita chega ao poder prometendo fazer escolhas difíceis para colocar as coisas no lugar.

Os comparativos são inegáveis, mas a história é cíclica e se repete através do tempo e da geografia e por mais semelhante que possa ser com o cenário atual do Brasil, Years and Years é uma série sobre os próximos vinte anos em uma Inglaterra que precisa lidar com os efeitos da escalada de uma guerra comercial entre China e Estados Unidos, uma crise humanitária na  Chechênia e a própria evolução da economia e relações humanas em um mundo cada vez mais automatizado.

É difícil escrever uma crítica que faça justiça a série como um todo. Através do olhar da família Lyons nos descobrimos o impacto que a ascensão da extrema direita tem sobre as minorias e como os fascistas chegam ao poder se aproveitando dos medos e fraquezas de seu povo, através de um discurso debochado e uma postura anti-sistema. O nome da série é uma referencia a passagem dos anos. Cada episódio tem um pequeno salto temporal, fazendo com que os próximos 20 anos sejam cobertos através dos seis episódios, dando uma ideia de como as coisas escalam muito sutilmente no inicio e de forma terrível no final. Um sistema totalitário não precisa se instalar de um dia para o outro, pode apenas se infiltrar ao longo dos anos, até que seja tarde demais.

Mas nem só de questões políticas é feita Years and Years. Ela também fala sobre a era da informática, a automatização do nosso modo de vida e de um dos temas favoritos da ficção científica do século passado: o transumanismo. Sim, do século passado, pois já não estamos falando de ficção, e sim de projeção. A escolha da série em abordar essas questões de forma marginal me pareceu um acerto. São apenas um elemento do cenário, uma discussão extremamente atual e que deve povoar nosso imaginário pelos próximos anos, mas que precisavam surgir em uma história que se propõe servir de oráculo do futuro.

Apesar de trágica, a série consegue trazer momentos de grande alegria e esperança, entregando um final catártico, mesmo melancólico. Aquilo que é apresentado ao público inglês como uma distopia possível dentro de um quadro alarmista, infelizmente é bastante familiar ao público brasileiro que vai reconhecer na história grandes similaridades de estratégia e efeitos colaterais que vivenciamos a cada dia. O que é uma ficção pessimista para eles, está cada dia mais próximo da nossa realidade.

O gancho final é uma direita no queixo nas palavras de Muriel: “Cuidado com esses homens; os brincalhões, travessos e palhaços. Eles nos levarão rindo para o inferno.”

Years and Years está disponível no Brasil pela HBO.

Comentários

Comentários

More news
%d bloggers like this: